7 de setembro de 2021, o dia que a independência pouco será lembrada


Nasci e moro em Brasília e digo com propriedade que esta é uma cidade linda e de pessoas, em grande maioria, educadas. O que muito provavelmente acontecerá em instantes na esplanada dos ministérios é uma doença que foi criada a partir de 2011.

Naquele ano eu pintei meu rosto de verde e amarelo e me juntei a tantos outros que gritavam frases contra a corrupção institucionalizada que havia no país, sempre de forma absolutamente apartidária. Alguns daqueles que me juntei naquela ocasião são, hoje, políticos (eleitos e não eleitos). Este foi o caminho natural para muitos daquela turma, não para mim.

Aquele movimento de dez anos atrás se dividiu no momento em que políticos se infiltraram nos grupos, partidarizando os gritos de ordem que ajudei a reverberar.

O que vemos hoje é um arremedo de manifestações democráticas que destoam completamente daquilo que nasceu há dez anos. Não parece haver mais a preocupação com o bem do país e do seu povo, mas sim a exaltação de um político medíocre que andou pelas sombras da Câmara dos Deputados por 27 anos.

Nenhuma contribuição sua mereceu destaque (nem sei se houve alguma) nessas quase 3 décadas. Suas aparições na mídia sempre se deram graças às bobagens que falava ou fazia, jamais por seu trabalho de representante do povo. E assim continua.

Em março de 2018 escrevi no site Congresso em Foco algo que hoje parece ter sido uma premonição:

“Maior representante político do “ultraconservadorismo” brasileiro, Jair Bolsonaro gera desconfiança sobre a sua capacidade de governar o país. Não só por questões intelectuais, mas por uma notável falta de equilíbrio emocional ao enfrentar situações adversas.”

Neste 7 de setembro de 2021, pessoas de várias partes do país demonstrarão seu amor a um presidente da República que enfrenta a pandemia do coronavírus como um chimpanzé dirigindo um carro de luxo.

A “gripezinha”, a cloroquina, a azitromicina e a falta total de empatia por aqueles que perderam familiares nesses quase dois anos de covid são pequenas demonstrações de que não errei ao desconfiar da capacidade de governar do capitão.

O desastre econômico está aí para quem quer ver. Aqui na capital o litro da gasolina é vendido a R$ 6,50, em média. Deve chegar aos R$ 7 rapidamente. Ontem mesmo fui ao mercado comprar carne e os dois quilos de acém moídos me custaram R$ 60. Não tive coragem de comprar carne de 1ª que já passa dos R$ 55 o quilo. Picanha? Nem se for por compra parcelada no cartão. Arroz, feijão, óleo… sem comentários.

Não sei como é calculada a inflação, mas os 8,99% dos últimos doze meses parece utopia pura.

Os anos de 2011 e 2013, período que pintei o rosto para ir às ruas protestar contra um dos períodos mais corruptos que o Brasil já viveu, ajudaram a moldar o brasileiro de hoje, mas, infelizmente, a reação adversa está aí.

A camiseta da seleção brasileira de futebol se tornou símbolo de pessoas que acham que a democracia se faz derrubando o STF, fechando o Congresso Nacional e dando poderes ilimitados ao presidente da República.

Por sorte – ainda – o sonho do “golpe militar” ou de qualquer coisa do gênero que é defendido pelos bolsonaristas mais convictos é algo que podemos descartar. Não se dá um golpe de estado sem apoio de instituições, e é justamente isso que o capitão não tem.

Apesar da subserviência de importantes órgão federais, nem mesmo militares estariam dispostos a iniciar uma quebra do sistema político atual.

No entanto, pontualmente neste 7 de setembro de 2021, a bandeira brasileira (“que jamais será vermelha”, lembra?) poderá ter sangue respingado a partir do confronto que poderá acontecer hoje na esplanada dos ministérios. Tomara que eu esteja errado. Isto seria mais uma para a conta do chimpanzé em seu carro de luxo.



Categorias:opinião

Tags:, , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: