Imóveis em Atibaia e no Guarujá. Não se trata de Lula, mas de Queiroz


Não há muito tempo as duas cidades paulistas foram palco da novela em que Lula foi o protagonista de uma trama envolvendo muito dinheiro público desviado, e no final ele acabou sendo preso. Tá, eu sei, ele está em liberdade.

Pouquíssimo tempo depois as duas belas cidades, uma vez mais, se tornam o tablado de uma história ainda sem fim definido, mas cujo enredo conta com um personagem central que captava de forma ilegal recursos públicos para repassar à milícias do Rio de Janeiro, Fabrício Queiroz.

Ele está preso, mas ainda sem julgamento. O nome de grande peso nessa trama envolvendo “rachadinhas” é o do filho 01 do presidente, Flávio Bolsonaro, que à época era deputado estadual no Rio e hoje desfruta dos benefícios espantosos de senador da República.

Além da casa em que foi preso há uma semana na cidade de Atibaia, no interior de São Paulo, que pertence a Frederick Wassef, Fabrício Queiroz esteve escondido em outro imóvel do advogado que representou a família Bolsonaro em diversos processos na justiça.

Antes de ir para lá, o ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro passou uma temporada em um apartamento da família de Wassef no Guarujá, no litoral. Veja trechos da reportagem da Band.

Um apartamento de 200m², na Praia de Pitangueiras, que pertence à família do advogado Frederick Wassef, que até domingo era responsável pela defesa do senador Flávio Bolsonaro, era o local em que Queiroz ficou hospedado entre 2018 e 2019, quando o esquema das rachadinhas veio à tona.

Moradores do condomínio, que preferiram não se identificar, afirmam que a época da chegada de Queiroz dificultou sua identificação.

“No começo, ninguém sabia que era o Queiroz. Porque o prédio tem muito poucos moradores. A maioria de pessoal que frequenta o prédio é turista. E ele chegou no final do ano. Normalmente, no final do ano tem muito, muito turista aqui dentro do prédio. O pessoal do prédio foi perceber que era o Queiroz depois do carnaval, mais ou menos”,

disse uma das fontes ouvidas pelo Jornal da Band.

Segundo vizinhos, Fabrício Queiroz pouco saía do apartamento e, quando isso ocorria, se mantinha discreto, procurando não conversar com ninguém. Na maioria das vezes, descia para buscar comida que pedia por aplicativo:

Ele só ficava trancado, aí, descia, pedia refeição. Ele andava de boné, de óculos escuro. Saía poucas vezes do apartamento.”

Os moradores confirmaram também que Frederick Wassef aparecia sempre no condomínio:

“Quando o Queiroz tava lá, o ‘Frederico’ [Wassef] apareceu algumas vezes lá. Todo mundo viu o “Frederico”, conhecido como “Fred”, no prédio, frequentando o edifício”,

disse a fonte.

O zelador, que costumava comentar com moradores sobre a rotina discreta de Queiroz, confirmou à reportagem da Band a propriedade do apartamento e a presença do advogado, mas desconversou ao falar do ex-assessor.

No período em que Queiroz esteve hospedado no imóvel, o ex-assessor não era foragido, mas era procurado pelo Ministério Público, para ser notificado a prestar depoimento no inquérito que apura um esquema de rachadinhas no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro no Rio de Janeiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.