Moradores de Watford, cidade distante apenas 33Km de Londres, capital da Inglaterra, relatam que há grande apreensão devido ao crescente número de casos de pessoas infectadas por coronavírus. Em um dos maiores supermercados da região, o Tesco, faltam sabonete líquido e até papel higiênico.

Fotos de Paulo Madeira

De acordo com Paulo Madeira, brasileiro que mora no país há mais de 20 anos, pessoas estão andando na rua usando máscaras. Escolas secundaristas suspenderam as aulas, o que deverá acontecer com as demais em breve. Moradores da cidade estão estocando alimentos e gêneros de primeira necessidade, apesar de o governo avisar que não haverá desabastecimento.

De acordo com o médico Dráuzio Varella, o índice de mortes pela doença Covid-19 na China é de zero em crianças até 10 anos. Entre os 11 e 40 anos o índice é de 0,02% e de 40 a 50 anos a mortalidade não passa de 1%. Os percentuais aumentam entre os mais idosos. O índice de mortes pelo Covid-19 registrado na China entre pessoas na faixa dos 70 e 80 anos foi de 8% e acima disso, 15%.

Na Itália e Portugal

Na Itália, escolas e lojas de produtos não essenciais foram fechadas e até mesmo viagens internas estão proibidas. Há mais de 15 mil pessoas infectadas no país e mortes passam de mil.

Em Portugal, Isabel Cristina relata que ainda não há desabastecimentos nos mercados, porém, o movimento de pessoas em shoppings e ruas diminuiu drasticamente. Aulas foram suspensas e a procura por máscaras e álcool em gel aumentou significativamente.

A brasileira disse ainda que um frasco de álcool que custava 70 centavos de Euro antes do coronavírus se espalhar pela Europa, hoje é adquirido por ao menos 3,50 Euros.

125 mil pessoas infectadas

Monitoramento realizado pelo Global Health Policy, o número de infectados no mundo ultrapassa 125 mil em 118 países e já foram registradas ao menos 4.613 mortes.

Mapa de 13 de março de 2020.

Há poucos dias a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou pandemia de coronavírus (Covid-19), o que na prática é apenas uma mensagem a todos os países para que adotem ações para conter a disseminação do problema e para cuidar dos infectados adequadamente.

Donald Trump anunciou a suspensão de voos partindo da Europa para os Estados Unidos por um período de trinta dias. Apenas o Reino Unido não foi atingido pela medida.

No Brasil, o presidente Bolsonaro está sendo monitorado depois que o secretário de Comunicação Social Fabio Wajngarten ter sido diagnosticado com o vírus.

A Ibovespa teve queda de 15% no dia 12 após acionar por suas vezes o mecanismo de “circuit breaker”, que interrompe as negociações para tentar diminuir o pânico.

Entendendo o Coronavírus

Os coronavírus são uma grande família de vírus que podem causar doenças em animais ou humanos. Em humanos, sabe-se que vários coronavírus causam infecções respiratórias que variam do resfriado comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença COVID-19.

Os sintomas mais comuns do COVID-19 são febre, cansaço e tosse seca. Alguns pacientes podem ter dores, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta ou diarreia. Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente. Algumas pessoas são infectadas, mas não desenvolvem sintomas e não se sentem mal.

A maioria das pessoas (cerca de 80%) se recupera da doença sem precisar de tratamento especial. Cerca de 1 em cada 6 pessoas que recebe COVID-19 fica gravemente doente e desenvolve dificuldade em respirar.

Pessoas idosas e as que têm problemas médicos como pressão alta, problemas cardíacos ou diabetes, têm maior probabilidade de desenvolver doenças mais graves. Pessoas com febre, tosse e dificuldade em respirar devem procurar atendimento médico.

Como o COVID-19 se espalha?

Pode-se contrair o COVID-19 de pessoas que têm o vírus. A doença se espalha de pessoa para pessoa através de pequenas gotículas do nariz ou da boca que se espalham quando uma pessoa infectada tosse ou exala. Essas gotículas pousam em objetos e superfícies que, se tocadas por outras pessoas e levadas pelas mãos aos olhos, nariz ou boca, podem infectá-las.

É possível ainda contrair COVID-19 ao respirar gotículas de uma pessoa contaminada que as exale pela tosse. Por isso é importante manter distância de um metro de uma pessoa doente. Não há indícios de que o Covid-19 seja contraído pelo ar.

Como evitar a propagação da doença

É possível reduzir as chances de ser infectado ou espalhar o COVID-19 tomando algumas precauções simples:

– Limpe regularmente e cuidadosamente as mãos com álcool em gel ou lave-as com água e sabão várias vezes ao dia.

– Mantenha pelo menos 1 metro de distância entre você e qualquer pessoa que esteja tossindo ou espirrando.

– Evite tocar nos olhos, nariz e boca.

– Certifique-se de que você e as pessoas ao seu redor seguem uma boa higiene. Isso significa cobrir a boca e o nariz com o cotovelo ou com tecido dobrado quando tossir ou espirrar. Em seguida, descarte o tecido usado imediatamente.