O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira (17) que pode assinar medida provisória para recriar os sorteios de prêmios na televisão, iniciativa proibida no final dos anos 1990 por ser considerada nociva aos consumidores.

Em entrevista, disse que pediu à equipe econômica que o assunto seja estudado e que avaliará a questão quando a proposta final for enviada ao Palácio do Planalto.

Nesta segunda-feira (17), a Folha de S.Paulo revelou que a medida tem sido feita por pressão de emissoras de televisão que apoiam o governo, entre elas a RedeTV!, principal interessada no negócio.

A pedido de Rede TV!, principal interessada no negócio, Record, SBT e Band, o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência), Fabio Wajngarten, articulou uma reunião entre os principais executivos dos canais e o presidente para convencê-lo a encampar a proposta.

Embora tratativas sobre o tema sejam de competência do Ministério da Economia, o encontro se deu no Palácio do Planalto, em 9 de dezembro, com a participação de Amilcare Dallevo Jr., dono e presidente da RedeTV!, José Roberto Maciel, presidente do SBT, Luís Cláudio Costa, presidente da Record, e Paulo Saad Jafet, vice-presidente da Band.

Na sequência, a Casa Civil começou a preparar a minuta de uma medida provisória. O texto foi enviado ao Ministério da Economia e está pronto, aguardando a decisão de Bolsonaro para ser publicado.

A minuta, a que a Folha de S.Paulo teve acesso, é uma tentativa de resolver um impasse imposto pela Justiça, que, no fim dos anos de 1990, proibiu sorteios na TV por considerá-los nocivos ao consumidor.

As emissoras agora miram a volta desse negócio como forma de gerar novas receitas.

Segundo relatos de participantes da reunião, a RedeTV! atuou no encontro como porta-voz das demais emissoras.

Com informações MSN Notícias