O Instituto OPS iniciou neste dia 12 a Operação Advogado do Diabo, que vai levantar os nomes dos deputados e senadores que contratam seus advogados particulares para realizarem serviços de consultoria e que são pagos com dinheiro público.

Não há impedimento previsto na Câmara ou Senado, no entanto, a escolha do advogado que representa o político na Justiça para receber dinheiro público por serviços prestados de consultoria pode ser configurado como choque de interesses.

Por este motivo o Instituto OPS iniciou a Operação Advogado do Diabo que objetiva entregar ao Ministério Público Federal e ao Tribunal de Contas da União a relação de parlamentares que adotam esse modus operandi e pedirá que sejam realizadas as apurações devidas.

Apenas em 2019, deputados gastaram R$ 18,8 milhões com serviços de consultoria, pesquisas e trabalhos técnicos, tudo pago com dinheiro público da verba indenizatória.

Assista e entenda: