Política

Farra legalizada com dinheiro público em MT


Sem prestar conta, deputados estaduais de Mato Grosso recebem – e gastam – até R$ 65 mil por mês a título de verba indenizatória que, por definição legal, deveria servir para cobrir despesas de mandato.

O que chama a atenção não é apenas o alto valor da cota – a mais alta do país – mas sim o surpreendente entendimento de que não é preciso prestar contas. Oito outras categorias da Assembleia Legislativa de Mato Grosso também passaram a ter direito à benesse que se estendeu ao Tribunal de Contas do estado e para algumas câmaras municipais.

O caso flagrante de desrespeito pela lei de transparência, além de ferir a Constituição Federal que determina ao gestor público que cumpra os princípios da administração pública como a publicidade, legalidade e impessoalidade, segue “firme e forte” graças a um entendimento do TCE-MT que dispensou a prestação de contas e a publicação das notas fiscais de gastos dos beneficiários da verba.

O Instituto OPS, como forma de tentar interromper o avanço da “benesse destrambelhada”, protocolou na OAB-Brasil um requerimento que pede ao órgão que seja apresentada uma Arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) para que a decisão do tribunal de contas daquele estado seja desconsiderada.

Clique aqui para ler o documento.

Veja a entrega do documento:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.