O Senado vota nesta noite a Medida Provisória 870, editada pelo presidente Jair Bolsonaro no início do ano para estruturar o seu governo e, entre outras coisas, reduzir de 29 para 22 o número de ministérios.

Se não for aprovada até 3 de junho, a MP perde a validade. Por isso, o governo corre contra o tempo.

Mas senadores do partido do presidente, o PSL, querem alterar o texto aprovado na Câmara na semana passada – o que faria a MP voltar para os deputados e colocaria em risco a aprovação no prazo legal.

A mudança defendida por alguns senadores governistas e pela oposição tem como objetivo manter o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) com o Ministério da Justiça, de Sergio Moro, e não com o da Economia – como aprovado pela Câmara.

Com medo de perder o prazo, Bolsonaro enviou uma carta ao Senado (veja abaixo) apontando “risco de retrocesso” caso a MP não seja aprovada imediatamente.