Nem tudo foi perdido no Museu Nacional


Este slideshow necessita de JavaScript.

A pouco mais de um mês do incêndio que destruiu o Museu Nacional, os pesquisadores conseguiram acessar um quinto da área atingida pelo fogo. Eles acharam prováveis fragmentos do dinossauro maxakalisaurus topai, um herbívoro de 13 metros de comprimento que foi encontrado no município de Prata, em Minas Gerais, por isso, foi apelidado de Dinoprata.

19out2018---museu-nacional-anuncia-resgate-do-cranio-de-luzia-1539969615349_615x300O crânio de Luzia, o fóssil humano mais antigo das Américas, também foi encontrado nos escombros. A peça é uma das mais emblemáticas do acervo incendiado em 2 de setembro.

O crânio foi encontrado fragmentado, mas a restauração é possível, segundo os cientistas. A reconstrução depende de repasse de verba do Governo Federal para reabrir o laboratório do museu, que é gerido pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.