Após homologar as delações de 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, deve sortear ainda esta semana o novo relator das investigações da Operação Lava Jato na Corte. A decisão será tomada entre os ministros da 2ª Turma – o decano Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

De acordo com matéria publicada pelo jornal Folha de S.Paulo na manhã desta terça-feira (31), o escolhido receberá apenas os processos relacionados na Lava Jato. Os outros inquéritos, cerca de 7.500, de responsabilidade do ministro Teori Zavascki, morto em acidente aéreo no último dia 20, serão direcionados ao novo ministro do STF. Indicação que será feita pelo presidente Michel Temer.

“Não está completamente descartada a possibilidade de Cármen Lúcia decidir sortear a relatoria entre os nove ministros do Supremo (ela ficaria fora), mas as chances de esta ser a solução adotada são remotas”, detalha a reportagem da Folha.

Também caberá ao novo relator da Lava Jato no Supremo decidir sobre a permanência, ou não, do sigilo sobre os processos. Um quinto nome para integrar a 2ª Turma da Corte também está sendo pensado pela presidente. Cármen Lúcia tem sondado os membros do STF sobre a possibilidade do ministro Edson Fachin – integrante da 1ª Turma – migrar para o grupo que analisa os casos da operação deflagrada em 2014.

POR CONGRESSO EM FOCO