Dallagnol:“Sem apoio da sociedade, Lava Jato vira pó”


Aos 36 anos, o procurador da República Deltan Dallagnol coordena a investigação que representa um ponto de corte no combate à corrupção no Brasil. Nas ruas desde março de 2014, a Operação Lava Jato tem negociações concluídas para recuperar R$ 10,1 bilhões desviados dos cofres públicos por meio da atuação do Ministério Público e da Justiça Federal em Curitiba, segundo balanço de dezembro. Mais de uma centena de pessoas já foi condenada, entre políticos sem foro, empresários e doleiros. Resultados que Dallagnol atribui às delações premiadas. Na primeira instância, o sucesso das apurações é incontestável.

Mas uma pergunta fica no ar: qual será o futuro da investigação no Supremo Tribunal Federal (STF), encarregado de processar autoridades com prerrogativa de foro? Em entrevista exclusiva à Revista Congresso em Foco, o procurador paranaense diz temer que o resultado da Lava Jato seja decepcionante na corte caso os ministros não adotem providências para acelerar a análise das acusações. Dallagnol também demonstra preocupação com as reações legislativas que pretendem inibir a ação de órgãos investigativos e rebate críticas de que a apuração é seletiva, com o objetivo de atingir um único grupo político, mais especificamente o PT, como alegam críticos da operação. Confira a íntegra a entrevista:

Revista Congresso em Foco – O futuro da Lava Jato parece depender do tamanho da delação de executivos da Odebrecht e de uma eventual colaboração do ex-deputado Eduardo Cunha. Até onde a operação pode chegar?
Deltan Dallagnol – As investigações são muito dinâmicas e é imprevisível o que acontecerá. Não posso comentar casos que não sejam públicos. Em relação ao futuro, deixo aqui duas preocupações. A primeira é como o Supremo vai lidar com o número crescente de casos de foro privilegiado. O ideal seria que a própria corte propusesse uma solução para o Congresso, porque temos um dos mais amplos foros privilegiados do mundo num tribunal assoberbado de casos por julgar. Se nada for feito nesse sentido, apesar da boa intenção, dedicação e capacidade técnica dos ministros, o resultado será provavelmente decepcionante. A segunda coisa que me incomoda é se será possível frear as reações legislativas contra a Lava Jato e, simultaneamente, aprovar reformas necessárias para sairmos do fundo do poço da corrupção.

Setores no Congresso intensificaram os ataques a instituições como o Ministério Público nos últimos meses.
Uma das características mais essenciais do ser humano é o instinto de autopreservação. As investigações estão acuando políticos contra os quais há provas de que praticaram atos ilegais, de modo mais ou menos grave. O número de políticos citados na operação tende a crescer, o que me faz acreditar que serão inevitáveis uma reação legislativa e a falência do foro privilegiado. Quanto à reação legislativa, a Lava Jato poderá virar pó, como aconteceu com a Mãos Limpas, na Itália, se a sociedade não a proteger.

Quais os riscos dessa reação para a Lava Jato e outras investigações?
A ofensiva do momento é o projeto de abuso de autoridade, que tem dois problemas centrais que, juntos, serão um obstáculo para a Lava Jato e outras operações. Primeiro, são criados crimes que podem ser interpretados para enquadrar investigadores que atuam de modo regular. Além disso, os próprios investigados – e não um órgão imparcial – poderão, a seu bel-prazer, acusar criminalmente os investigadores. Isso tornará a atividade de investigar um inferno. A tentativa recente de aprovar uma anistia sorrateira é outro exemplo disso. Já vimos também propostas para dificultar a colaboração premiada e a leniência. Já cogitaram até a criação de foro privilegiado para ex-detentores de cargos públicos e uma nova constituinte para podar os poderes de investigação do Ministério Público.

Por falar em ex-detentores de cargos públicos, o grupo político que estava à frente do poder federal até pouco tempo se diz vítima de uma investigação seletiva. O que há de procedente nesse tipo de crítica?
Dizer que todos esses servidores do Ministério Público, da polícia e do Judiciário, concursados e independentes, fizeram conluio para prejudicar determinados partidos, traindo seu dever funcional, é criar uma teoria da conspiração que não tem qualquer fundamento. Grande parte dessa equipe se formou quando se apuravam apenas crimes financeiros de doleiros, antes mesmo de a Lava Jato chegar à corrupção na Petrobras. O que descobri nessa investigação é que políticos jamais são “criminosos”. Eles são sempre “perseguidos”.

A corrupção alcança mais algumas legendas do que outras?
Quando a defesa jurídica não satisfaz porque as provas são fortes, os fatos são graves e as investigações são regulares, eles lançam mão da defesa política. Buscam tirar a credibilidade do investigador mediante todo tipo de ataque pessoal e alegação de abusos. Vimos isso acontecer diversas vezes na Lava Jato e em outros casos, como o mensalão. É claro que a corrupção não é um problema exclusivo de determinados partidos. Pesquisas, a própria história brasileira e a Lava Jato nos mostram que a corrupção está enraizada e disseminada em diferentes órgãos e esferas de governo. O fato de os três partidos mais envolvidos na Lava Jato serem o PT, o PP e o PMDB não é uma escolha dos investigadores, mas decorre do fato de que, desde 2003, as diretorias da Petrobras e demais cargos de direção do Executivo federal eram ocupados por pessoas indicadas pelas agremiações da base aliada, não da oposição.

O balanço da Lava Jato indica uma recuperação, até o momento, de R$ 3,6 bilhões para um total de R$ 6,4 bilhões em recursos públicos desviados. Existe algum dado histórico que permita comparar essa investigação a outras quanto a valores restituídos?
O caso que virtualmente mais recuperou recursos antes da Lava Jato obteve um valor inferior a R$ 100 milhões. A regra, contudo, é não se recuperar nada, porque os casos de corrupção em geral prescrevem ou são anulados. Anões do orçamento, Marka FonteCindam, propinoduto, a maior parte do caso Banestado, as operações Castelo de Areia, Boi Barrica e Satiagraha e a Ação Penal 461, contra Paulo Maluf, são exemplos. Além disso, nos poucos casos em que o processo criminal chega ao fim com algum sucesso, não há instrumentos legais eficientes para trazer o dinheiro desviado de volta.

A que o senhor atribui o desempenho da Lava Jato?
A Lava Jato é uma exceção por causa dos acordos de colaboração premiada em que os investigados restituíram, voluntariamente, bilhões desviados da Petrobras e de outros órgãos públicos. Contudo, no Brasil, as colaborações são raras porque não existe incentivo quando a regra é a impunidade. Por que alguém faria um acordo em que reconhece os crimes, devolve o dinheiro e se submete a uma pena se existe uma boa chance de se safar completamente? Na Lava Jato foi diferente porque é um ponto fora da curva da impunidade.

Tem provocado grande polêmica o pacote de medidas da força-tarefa da Lava Jato contra a corrupção. O senhor acredita na aprovação desse projeto?
É possível que alguém discorde legitimamente das soluções oferecidas pelo Ministério Público e endossadas pela sociedade, mas é necessário que se formulem soluções alternativas; do contrário, os problemas continuarão. O Congresso é o ambiente adequado para esse debate e aperfeiçoamento das propostas. Temos observado uma boa vontade de alguns parlamentares para encontrar saídas para cada um dos problemas levados ao Legislativo. Isso é uma demonstração de respeito com os mais de 2 milhões de pessoas que, mais do que manifestar apoio às medidas, depositaram suas esperanças de um país melhor sobre o Congresso. A modernização das leis, nesse sentido, é uma sinalização positiva do Congresso para a sociedade, contribuindo para a recuperação da confiança da sociedade no Parlamento após os escandalosos crimes de corrupção expostos pela Lava Jato.

POR CONGRESSO EM FOCO
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s