Fórum da sociedade civil vai propor medidas convergentes para prevenir e combater a corrupção


Certos de que “as dez medidas contra a corrupção” propostas pelo Ministério Público foram na prática sepultadas pelo Congresso Nacional, representantes de diversas entidades da sociedade civil presentes ao Diálogos Congresso em Foco 2 apontaram o projeto como o fórum adequado, por sua pluralidade e espírito democrático, para repensar os mecanismos de prevenção e combate aos crimes contra a administração pública.

“Esse foro tem representatividade para repensar os instrumentos para combate à corrupção”, afirmou Victor Hugo de Azevedo Neto, vice-presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp). O presidente da Associação dos Peritos Criminais Federais (APCF), André Morrison, defendeu que uma das medidas seja a instituição do crime de enriquecimento ilícito – prevista no pacote proposto pelo Ministério Público, com apoio de mais de 2 milhões de pessoas, mas derrubada pela Câmara.

Opinião semelhante à do presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, que mais uma vez lamentou o fato de o pacote ter sido desfigurado pelos deputados. Para Aldemário Araujo Castro, da Associação Nacional dos Advogados Públicos Federais (Anafe), os congressistas poderiam, sim, repensar formas de lidar com os abusos de autoridade de juízes e membros do MP, mas não da forma que ocorreu.

Forma civilizada

“Temos de fazer a discussão sobre o combate aos abusos de autoridade, tanto da magistratura quanto do Ministério Público, de forma civilizada. Não como instrumento de vingança, como fizeram os parlamentares, de afogadilho, num ambiente político que não recomenda nem um pouco uma atitude dessas. Tudo que não podemos fazer agora é adotar medidas que afetem a independência da magistratura e do Ministério Público”, disse Aldemário.

Antonio Rodrigo Machado, da seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF), disse que um dos maiores problemas a enfrentar são os conflitos entre os agentes do Estado encarregados de prevenir e reprimir a corrupção. “Temos um grande problema hoje no combate à corrupção que é a falta de diálogo institucional. Existe hoje uma ausência de diálogo entre polícia, corregedorias, corte de contas e Ministério Público. Quanto maiores as dificuldades de entendimento institucional, maiores os problemas que enfrentaremos no combate à corrupção”, argumentou ele.

Fundador do Congresso em Foco, o jornalista Sylvio Costa acredita que o aprofundamento desse tipo de debate é essencial para a defesa da democracia em um momento em que o país enfrenta grave crise em diversos campos e o Congresso, mais do que nunca, é alvo de questionamentos da sociedade. “Vivemos um momento muito difícil, que chega a nos desanimar em relação ao futuro do país. Mas vejo que todos saíram daqui mais animados porque tivemos um debate respeitoso, produtivo, entre pessoas que pensam muito diferente em relação a várias coisas. Mas que concordam totalmente quanto à necessidade de preservar e aprimorar nossa democracia, que é a parte mais ameaçada pelas muitas e graves crises que afetam hoje o Brasil no campo político e econômico e na área do combate à corrupção”

Temas em discussão

Após uma manhã de discussões, a plenária do Diálogos Congresso em Foco 2 definiu um conjunto de temas a serem discutidos, ao longo dos próximos quatro meses, na busca de ideias para o enfrentamento da corrupção e das crises política e econômica. Os itens destacados pelos participantes serão submetidos, a partir da próxima semana, a um fórum virtual de discussões que se estenderá até março de 2017, para que qualquer cidadão possa aprofundar e sugerir propostas.

Representantes de diversas entidades da sociedade civil e pessoas preocupadas com os rumos do Brasil se reuniram, na manhã desta quinta-feira, na sede da OAB-DF, para discutir, basicamente, três grandes áreas: política, economia e combate à corrupção. Depois da abertura do encontro, os presentes se dividiram em três grupos temáticos. Cada qual propôs pontos considerados prioritários. Em seguida, todos definiram, em plenária, os temas a serem discutidos.

O formato desta segunda edição está centrado no ambiente digital. A intenção é criar um influente fórum virtual, conduzido pelos apoiadores do projeto, com a contribuição de todos os interessados em construir propostas convergentes em favor dos interesses coletivos. O debate no ambiente virtual deve se estender até 8 de março de 2017. No dia 24 de março, um novo evento presencial será realizado para chegar às conclusões finais.

POR CONGRESSO EM FOCO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s