Justiça determina desocupação da UnB e autoriza uso de força policial


A Justiça Federal determinou a desocupação da Universidade de Brasília (UnB). Os alunos que ocupam a universidade contra a PEC que limita os gastos públicos por 20 anos têm até 48h para liberar a entrada dos prédios. A decisão foi publicada nesta segunda-feira (21) e foi solicitada pelo aluno Edinailton Silva Rodrigues, que cursa Direito da instituição. Veja a íntegra da decisão.

Caso a desocupação não ocorra de maneira pacífica, o juiz Itagiba Catta Petra autorizou o uso de força policial. No caso da UnB, é a Polícia Federal quem deve comandar a ação de reintegração de posse, porém o apoio da Polícia Militar pode ser solicitado.

De acordo com a decisão, “é público e notório que o objetivo do movimento é político”. O magistrado afirma que a ocupação “não tem relação direta com a atividade acadêmica, o que retira qualquer legitimidade dos atos”. Catta Preta lembra ainda que a ocupação “tem causado prejuízos de diversas ordens, prejudicando, entre outros, o acesso de estudantes ao ensino superior, com o adiamento do ENEM para diversos estudantes secundaristas”.

Em nota, divulgada à época do início da ocupação, há 21 dias, a Reitoria da UnB afirmou que a ocupação prejudica a realização de serviços como pagamento de folha salarial e de bolsas, empenhos, compras e concursos. A universidade ressaltou, ainda, que “se coloca contrária a quaisquer atos de partidarização e de violência na UnB”.

Opiniões dividas

Internamente, a ocupação divide opiniões entre os alunos. Na mais significativa das assembleias, os alunos do campus de Ceilândia decidiram por 265 votos a 160 não ocupar o local. Na ocasião, os votos foram dados em papel, com urnas e em um auditório lotado. O outro campi ocupado, em Planaltina, também faz parte da decisão de reintegração de posse e também deve ser liberado.

O protesto dos estudantes é contra a proposta de emenda à Constituição que limita os gastos públicos e a reforma do ensino médio por meio de uma medida provisória proposta pelo governo Michel Temer (PMDB). Aprovado em dois turnos, com votação expressiva, na Câmara dos Deputados, o texto da PEC do teto dos gastos está no Senado, onde deve ser votado até dezembro.

POR GABRIEL PONTES
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s