Senado suspende julgamento após “hospício” e “burrice infinita”


No segundo dia do julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, os senadores repetiram o roteiro de ontem. Assim como nessa quinta-feira, os parlamentares voltaram a trocar ofensas, obrigando o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, a suspender a sessão. Desta vez, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), juntou-se aos senadores Ronaldo Caiado (DEM-GO), Lindbergh Farias (PT-RJ) e Gleisi Hoffmann (PT-PR), que já haviam protagonizado fortes embates no primeiro dia do julgamento.

Lewandowski interveio após Lindbergh ter chamado Caiado de “desqualificado” e disse que não aceitaria mais ofensas. Em seguida, Renan pediu a palavra, pela primeira vez desde o início do julgamento do impeachment. O peemedebista criticou o nível das discussões entre os senadores. Mas acabou contribuindo para o acaloramento do debate.

“Fico muito triste porque essa sessão é, sobretudo, uma demonstração de que a burrice é infinita”, disse o peemedebista. “Já que o mundo todo está com os olhos debruçados sobre o nosso país, a ideia de que Vossa Excelência (Lewandowski), constitucionalmente, está sendo obrigado, a presidir um julgamento em um hospício”, continuou Renan.

Antes de ser interrompido por senadores, o presidente do Senado ainda atacou as declarações de Gleisi Hoffmann de que o “Senado não tem moral para julgar a presidente Dilma”. “Como uma senadora pode fazer uma declaração dessa? Exatamente uma senadora que, há 30 dias, o Presidente do Senado Federal conseguiu no Supremo Tribunal Federal desfazer o seu indiciamento e do seu esposo” afirmou. “Mentira”, reagiu Gleisi.

“Que baixaria, Renan”, rebateu o senador Jorge Viana (PT-AC) pouco antes de Lewandowski interromper a sessão e antecipar em 45 minutos o horário de almoço dos senadores. O debate voltará às 13h.

No intervalo, à imprensa, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) sugeriu que os colegas tomassem um suco de maracujá, ou um chá de camomila para acalmar os ânimos. Lindbergh Farias (PT-RJ), por sua vez, afirmou que Renan parecia “descompensado”.

Para acelerar o andamento da sessão, Aécio informou que todos os senadores que já têm posição definida pró-impeachment vão se retirar da lista de inscritos para falar. Só aqueles que tiverem algo realmente pertinente para perguntar ou comentar poderão falar, de acordo com o acordo da bancada.

POR GABRIEL PONTES

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s