Recesso junino custa R$ 20 milhões à Câmara


Por determinação do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), os deputados terão dias extras de folga no período de festas juninas, entre os dia 20 de junho e 1º de julho. No entanto, o chamado recesso branco custará aos contribuintes cerca de R$ 20 milhões, segundo o site do jornal espanhol El País, que se baseou no levantamento realizado pelo Congresso em Foco sobre o custo anual dos deputados para chegar ao valor.

Na última semana os parlamentares comemoraram o dia de São João (24) e, nesta semana, São Pedro é o santo da vez, homenageado no próximo dia 29. O único dia em que se esperava que fosse realizada alguma votação seria hoje (terça, 28). No entanto, por falta de quórum, as votações foram adiadas para a próxima semana. A pauta está trancada pela MP 718/16, que altera normas tributárias e de controle de dopagem com foco na realização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio de Janeiro.

Para chegar ao valor de R$ 20 milhões, o cálculo utilizado se baseia no custo diário dos parlamentares: R$ 2,87 milhões. Além dos salários, a conta inclui gastos com auxílio moradia, verba de gabinete, alimentação, transporte, aluguel de veículo e imóveis, além de verbas com a divulgação do mandato. Porém, não estão incluídas despesas com a manutenção funcionamento dos prédios da Câmara nem o pagamento de servidores.

Por meio de sua assessoria Maranhão informou que a paralisação se deve a “festejos juninos, durante os quais há grande mobilização popular, especialmente na região Nordeste do país”. Durante o período as comissões continuarão funcionando, porém, consideravelmente esvaziadas.

A decisão do presidente interino desagradou governistas e oposicionistas. O Psol classificou o posicionamento de Maranhão como “irresponsável” e lembrou dos custos provocados pela medida. “Figuras como Maranhão, que ora atendem a interesses do centrão, ora do próprio Eduardo Cunha, ora do governo interino de [Michel] Temer desmoralizam a Câmara dos Deputados e a atividade parlamentar”, diz a nota assinada pelos seis deputados da legenda.

O líder do PSDB, Antônio Imbassahy (BA) também criticou a decisão. “Num momento como esse, em que deve haver um esforço em torno do processo de reconstrução nacional e de recuperação da economia e projetos importantes estão na pauta da Câmara, é inadmissível que uma decisão unilateral do presidente interino paralise os trabalhos durante uma semana”.

A medida também é vista como uma maneira de beneficiar o presidente afastado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para prorrogar o seu processo de cassação. “É uma manobra para Cunha ganhar tempo. Não fazia sentido paralisar a agenda do Congresso neste momento”, avalia Antônio Augusto de Queiroz, diretor de documentação do Departamento de Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s