STF julga segunda denúncia contra Cunha


O Supremo Tribunal Federal (STF) julga nesta quarta-feira (22) a segunda denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na sessão marcada para às 14h, os ministros do STF vão analisar a acusação de que o peemedebista manteve contas não declaradas da Suíça, abastecidas por recursos ilícitos desviados da Petrobras. Cunha já é réu em uma ação penal no âmbito da Operação Lava Jato na corte.

Em março do ano passado, Cunha negou à CPI da Petrobras ter contas no exterior, porém, em outubro o Ministério Público da Suíça encaminhou às autoridades brasileiras documentos que comprovam a existência de contas no nome dele no país. O episódio motivou uma representação do Psol e da Rede no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar, cujo parecer que recomenda a cassação do mandato do deputado foi aprovado na semana passada.

Em março, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou a denúncia contra Cunha no STF. Segundo os investigadores da Lava Jato, a conta atribuída a Cunha no exterior pode ter recebido recursos ilícitos desviados de um contrato da Petrobras na compra de um campo de petróleo no Benin, na África, avaliado em mais de US$ 34 milhões.

Nesta terça-feira (21), Cunha concedeu uma entrevista coletiva e disse estar “absolutamente convicto” de que não mentiu à CPI da Petrobras sobre as contas no exterior. O peemedebista ainda afirmou que recorrerá à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para tentar anular o resultado da votação do Conselho de Ética que aprovou sua cassação.

Cunha é réu na Lava Jato e está afastado de seu mandato e da presidência da Câmara desde maio por determinação do STF. Além da derrota no Conselho de Ética, por 11 a 9, o deputado afastado colecionou outros dissabores este mês. Um juiz do Paraná bloqueou os bens dele e de sua esposa, Cláudia Cruz. A jornalista também virou ré na Lava Jato. Seu nome apareceu em novas delações, o Banco Central o multou em R$ 1 milhão por manter conta não declarada no exterior. O casal virou alvo ainda de uma ação de improbidade administrativa na qual o Ministério Público cobra quase R$ 100 milhões dos dois.

POR LUMA POLETTI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s