Janot pede prisão de Renan, Cunha, Sarney e Jucá


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) e do senador Romero Jucá (PMDB-RR), informam o jornal O Globo e a TV Globo. De acordo com a reportagem dos dois veículos, eles são acusados de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato. O pedido está com o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo, há pelo menos uma semana, relata o jornal carioca. O ministro também vai decidir se autoriza a abertura de inquérito contra o trio. No caso de Sarney, por causa da idade – 86 anos -, Janot sugere o uso de tornozeleira eletrônica.

Além da prisão, Renan é alvo de pedido de afastamento da presidência do Senado e de suspensão do mandato de senador, a exemplo do que ocorreu com o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), conforme fonte ouvida pelo Globo. Janot também pede a prisão de Cunha por tentativa de obstruir as investigações.

Segundo a reportagem de Jailton de Carvalho, os investigadores consideram os indícios de conspiração, captados nas gravações e reforçados pelas delações do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e de seu filho Expedito Machado, mais graves que as provas que levaram Delcídio Amaral à prisão, em novembro do ano passado, e à perda do mandato, em maio. A avaliação, prossegue O Globo, é de que enquanto Delcídio tentou manipular uma delação, a do ex-diretor de Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, Renan, Sarney e Jucá planejavam derrubar toda a Lava Jato.

Em depoimentos de sua delação premiada, Sérgio Machado disse ter distribuído R$ 70 milhões em propina para Renan, Sarney e Jucá, entre outros integrantes da cúpula peemedebista nos 12 anos em que esteve à frente da subsidiária da Petrobras.

No áudio que levou à sua demissão do Ministério da Previdência, pouco mais de uma semana após sua nomeação, Jucá defende a troa de governo e um pacto para “estancar a sangria” da Lava Jato. Em outra gravação, Renan sugere mudança na legislação para impedir que presos façam delação premiada – esse mecanismo é a base da Lava Jato. Já Sarney sugeriu a escalação de dois advogados — Cesar Asfor Rocha, ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e Eduardo Ferrão — para uma conversa com Teori Zavascki a fim de evitar uma eventual prisão de Machado.

Segundo o Globo, a Procuradoria-Geral da República considera que Renan, Jucá e Sarney pretendiam obstruir as investigações sobre a organização acusada de desviar dinheiro de contratos entre grandes empresas e a Petrobras. Os três peemedebistas negam qualquer tentativa de dificultar as apurações da Lava Jato assim como qualquer participação em irregularidades.

POR CONGRESSO EM FOCO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s