O ministério de notáveis conhecidos da justiça


—————Opinião————-

E o Brasil, heim?

Uma presidente que bem ou mal foi eleita democraticamente (por urnas questionáveis, é verdade) é afastada do cargo para que o impeachment seja conduzido sem que ela tenha condições institucionais de intervir no processo. Ao final saberemos (ou não) se ela cometeu crimes.

Eu torço para que Dilma tenha mesmo praticado crimes. Assim, o seu afastamento e seu impeachment, algo que acontecerá muito rapidamente, terá sido legal . Digo isso porque interromper um mandato sem a certeza plena do cometimento de crimes é gravíssimo. Por mais defeituoso que seja o nosso sistema político e eleitoral, a vontade da maioria deve sobrepor ao da minoria.

Eu não defendo o PT e muito menos me simpatizo com o partido, mas isso não me impede de ver que a maior razão para que ela tenha sido afastada é a falta de competência que Dilma sempre demonstrou. Ela conseguiu desconstruir muita coisa que foi construída em governos anteriores e enterrou o Brasil numa crise que, preservadas as devidas proporções, é maior que a da Grécia (achismo meu).

Por outro lado, Michel Temer, citado na Operação Lava Jato, começou com o pé esquerdo na presidência. Ao nomear os novos ministros, nomes conhecidos da Justiça cuidarão de orçamentos bilionários.

Blairo Maggi assumiu o ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O “rei da soja”, como é conhecido Maggi, era alvo de inquérito por suspeita de lavagem de dinheiro. O STF arquivou o caso.

Bruno Araújo assumiu o ministério das Cidades. Ele está na famosa lista da Odebrecht como receptor de recursos financeiros. A Política Federal investiga o caso. Ele nega que tenha cometido irregularidades.

Eliseu Padilha é o ministro chefe da Casa Civil, posto que já foi ocupado por Dilma e Zé Dirceu. Ele foi acusado de irregularidades no pagamento de precatórios, mas é claro que sempre negou.

Geddel Vieira Lima assumiu a Secretaria do Governo. Ele é citado na Lava Jato por negociar propina com a OAS. Obviamente que ele nega as acusações.

Gilberto Kassab é o novo ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações. Responde a inquérito no STF assim como o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil Maurício Quintella Lessa que já foi condenado em primeira instância por participação em esquema de desvio de recursos da merenda escolar .

Henrique Eduardo Alves, que assumiu a pasta de Turismo, é alvo de dois pedidos de abertura de inquérito na Lava Jato, mas jura inocência.

José Serra é o titular da pasta das Relações Exteriores. Ele já foi intimado a depor sobre fraudes na licitação de trens, mas nega participação no esquema.

Raul Jungmann é o ministro da Defesa. Sob o seu comando estão todas as autoridades militares – brigadeiros, almirantes, Coronéis e generais. Assim como Bruno Araújo, seu nome aparece na Lista da Odebrecht.

Outro que consta na mesma lista escusa da construtora é o ministro da Educação e Cultura. Ele nega qualquer tipo de irregularidade.

Romero Jucá é o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Ele está sendo investigado pela Polícia Federal no caso da Lava Jato. Diz ser inocente.

Como se vê, os “notáveis” de Temer bem que poderiam ser outros mais bem qualificados para as funções designadas e menos próximos do banco dos réus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s