Ministro do STF atende PSDB e barra pronunciamento de Dilma


Em decisão liminar, a juíza federal Solange Salgado da 1ª Vara de Justiça em Brasília, deferiu o pedido do líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy (BA), protocolado em forma de ação popular contra o pronunciamento que seria feito pela presidente Dilma Rousseff em rede nacional de rádio e televisão na noite desta sexta-feira (15). Mas a ação nem precisava ter sido impetrada, uma vez que a própria presidente havia desistido da fala.

De acordo com a ação, Dilma utilizaria o espaço para “denunciar que está sendo tramado um golpe” contra ela. A partir deste fato, a juíza determinou que nos termos em que seria realizado, o pronunciamento não encontra suporte em nenhuma das hipóteses que autorizam a convocação dos meios de comunicação previstas no artigo 87 do Decreto 52.795/63.

Leia aqui a íntegra da decisão

Ainda de acordo com decisão proferida por Solange, nesse cenário existe “evidência de ato ilegal e lesivo ao patrimônio público imaterial e à moralidade administrativa”.

“Ante o exposto, defiro o pedido liminar para determinar que a presidente da República se abstenha de convocar cadeia nacional de rádio e televisão para veicular pronunciamento que (i) solicite apoio contra o impeachment de seu mandato, (ii) que alegue que os defensores do impeachment podem até ter suas justificativas, mas que a história os deixará com a “marca do golpe”, (iii) que não pesa nenhuma denúncia de corrupção contra ela, (iv) e que há um “golpe em curso no país.”

Antes mesmo da divulgação do deferimento, Dilma Rousseff já havia sido notificada pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, que não deveria fazer o pronunciamento. Fato que foi utilizado na peça apresentada pela juíza. Para Solange, a decisão da presidente da República foi firmada por ter sido convencida de que discurso tratava-se de fala de cunho eminentemente político e não institucional.

Solidariedade

Mais cedo, o Solidariedade também protocolou ação civil contra a fala de Dilma em rede nacional. Como mostramos aqui no Congresso em Foco, o partido alegou desvio de finalidade, já que a convocação dos veículos de comunicação só se justifica quando o assunto é de interesse público.

“Não podemos assistir calados Dilma usar a máquina pública em horário nobre para se defender da votação de domingo. A Comissão do Impeachment deu todas as chances para ela ir pessoalmente à Câmara se defender, mas preferiu fazer do Advogado Geral da União garoto de recados”, afirmou o presidente nacional da legenda, deputado Paulinho da Força, um dos parlamentares mais fiéis ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Por: Patrícia Cagni

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s